Menu
Resumo da Cadeira
Duração Semestral
ECTS Conclusao 4
Area Cientifica Enfermagem
Lingua Ensino Português
Modo ensino Presencial
Tipo de Cadeira Obrigatoria
Codigo da Cadeira 4701
Partilhar curso

Métodos de ensino

Nas aulas de tipologia teórica serão enquadrados os conteúdos que se reportam à morte e o morrer, gestão da agonia e últimos dias de vida, as intervenções de enfermagem preconizadas e o processo de luto, versando instrumentos que o objetivem e mensurem.
As aulas teórico-práticas basear-se-ão na discussão dos conteúdos e na resolução de situações práticas, nomeadamente na capacitação dos cuidadores e família para a promoção do conforto em últimas horas de vida, temas sensíveis como nutrição e hidratação, sedação e dilemas éticos. Dá-se ênfase à formulação de problemas e análise dos resultados partindo sempre de situações reais resultantes da evidência científica. Promove-se um processo de diálogo em que todos participem, através da sua própria experiência e saber. A partilha das vivências de cada um emergem como uma oportunidade na capacitação do profissional para a melhoria das competências comunicacionais e técnico-científicas. A avaliação de conhecimentos consistirá na realização de trabalhos de grupo (60%), os quais serão apresentados de forma individual (40%), em sala de aula, através de metodologia expositiva. Os estudantes podem optar por exame final.


Objetivos de Unidade Curricular

Enumeram-se os seguintes objetivos a atingir pelos estudantes:
Conhecer o perfil de agravamento das doenças oncológicas e não oncológicas;
Identificar as manifestações comuns dos últimos dias e horas de vida;
Explorar ferramentas de prognóstico e acurácia de fim de vida;
Desenvolver competências para intervir nos últimos dias e hora de vida, tendo em conta os 4 pilares dos CP;
Compreender o processo de luto, identificando os tipos de lutos (antecipatório, normativo e prolongado) e as características que os definem;
Reconhecer enquanto enfermeiro, as necessidades e dificuldade no acompanhamento do luto antecipatório do doente e cuidadores informais;
Identificar fatores de risco do luto prolongado nos cuidadores informais e família;
Refletir sobre as principais especificidades e desafios da intervenção do enfermeiro em função das características das perdas;
Desenvolver competências para a implementação de um plano assistencial de qualidade;
Conhecer os instrumentos de avaliação do risco no luto;
Explorar o conceito de luto profissional e suas especificidades;
Reconhecer a importância do autocuidado profissional.


Estagios

Nao


Programa

Acompanhar pessoas em situação avançada de doença e em fim de vida, seja de etiologia oncológica ou não oncológica, cuidando em concomitância do doente e da sua família, lidar com as suas sucessivas perdas, tentando responder de uma forma eficaz, não se revela tarefa fácil para os profissionais de saúde.
Cada vez mais é expectável o desenvolvimento de habilidades, competências e aptidões específicas para lidar com o sofrimento e a morte iminente, a qual está cada vez mais presente nas instituições, mas que se pretende que progressivamente regresse ao domicílio, com apoio de equipas comunitárias de cuidados paliativos.
O momento pós-morte, torna-se, muitas vezes, um fator de stress na prática profissional e pessoal.
É de fundamental importância dotar os Enfermeiros de formação especializada que permita de forma critica, reflexiva e responsável desenvolver estratégias e planos de cuidados personalizados ao doente e família, permitindo a manutenção de um fim de vida digno e de acordo com os desejos manifestados, e de igual forma adequados à prática profissional, possibilitando que o Enfermeiro envolvido neste processo seja capaz de preservar e promover o seu autocuidado.


Métodos de Avaliação

Avaliação Contínua

Discussão individual : 40.0%

Trabalho de Grupo : 60.0%

Avaliação por Exame

Exame: 100.0%


Itens Bibliograficos

Romero, I.; Braga, B.; Rodrigues, J.; Rodrigues, R.; Neto, I. G. (2018). “Desprescrever” Nos Doentes Em Fim De Vida: Um Guia Para Melhorar A Prática Clínica. Revista Da Sociedade Portuguesa De Medicina Interna, 25 (1), 28-57.
Pais, C.; Silva, R.; Carvalho, S.; Morais, A. (2019). Uma Boa Morte: Reconhecer A Agonia A Tempo. Revista Da Sociedade Portuguesa De Medicina Interna. 26 (3), 238-246.
Walsh, R. I., Mitchell, G., Francis, L., &Amp; Van Driel, M. L. (2015). What Diagnostic Tools Exist For The Early Identi¬Fication Of Palliative Care Patients In General Practice? A Systematic Review. Journal Of Palliative Care, 31(2), 118–123.
Sapeta, A. P., Capelas, M. L., Pimenta, S., Brito, M. F. (2020). Relatório Outono 2019: Secção V – Apoio No Luto. Observatório Português Dos Cuidados Paliativos. Universidade Católica Editora. Lisboa.
Pimenta, S. E Capelas, M. L. (2020). Intervenção No Processo De Luto Em Portugal Pelas Equipas De Cuidados Paliativos. Cadernos De Saúde. 12(1), 23-35
Gomes, S. (2014) O Luto Em Enfermeiros Expostos À Morte Dos Doentes: A Realidade Do Ipocfg, E.p.e Dissertação De Mestrado Em Cuidados Paliativos. Faculdade De Medicina Da Universidade De Porto.


Partilhar curso